• Equipe Jardim Secreto

Como seria a cidade dos seus sonhos?

Das nossas andanças por São Paulo, em busca de jardins secretos, conhecemos e interagimos com diferentes realidades dessa metrópole tão plural. E a cada nova edição da Feira, imaginávamos como poderia ser a nossa cidade dos sonhos, a de nós todos.


Foto por @volpeimagens

Atualmente 55% da população mundial vive em cidades, isso significa em média 3 bilhões de pessoas. Um terço dessas pessoas se encontra abaixo da linha de pobreza.


A desigualdade social é um dos maiores problemas vivenciados em grandes centros urbanos, junto desse macro problema a falta de acesso à moradia, saúde, educação, segurança e saneamento básico também fazem parte do pacote.


No início de 2018 o Brasil tinha em média 6,05 milhões de imóveis não habitados, enquanto 6,69 milhões famílias não tinham onde viver.



Isso sem falar da crise ambiental; a impermeabilização do solo, poluição sonora, do ar e das águas e a destinação e tratamento inadequados do lixo.


As cidades não são apenas afetadas pela crise climática, elas também são uma de suas principais causas. Cidades consomem entre 60 a 80% dos recursos energéticos globais e representam cerca de 70% das emissões globais de dióxido de carbono.


Até 2050 teremos pelo menos 5 bilhões de pessoas vivendo em cidades. Afinal de contas, como garantir que todas essas pessoas vivam de forma justa e plena, ao mesmo tempo que freamos a crise climática?


A Cidade dos Sonhos:



Nós sonhamos com cidades verdes, imagina? Nós imaginamos.


Cidades com ruas cheias de possibilidades; moradia, espaços de convivência, espaços de contemplação, transporte público acessível e não poluente, mais espaço para bicicletas e pedestres, comércios locais justos e adequados a realidade do mundo, lugares para se fazer escambo, museus, galerias, centros culturais, cinemas ao ar livre, hortas urbanas, parques, rios limpos, animais convivendo em harmonia com os humanos, escolas atualizadas com todo essa forma de vida, cultura e arte por toda parte.


É natural do ser humano querer interagir, seja entre si, seja com a natureza, seja com espaços e novas possibilidades.


Estamos presos à formas de interagir apenas ligadas ao consumo, e o formato das grandes metrópoles apenas reforça esse comportamento. Locais que apenas são possíveis de se acessar caso vc pague a entrada ou compre algo.


São Paulo é a maior metrópole da América Latina, e aqui estamos nós sonhando com uma metrópole mais humana e mais sustentável. Será que é possível chegar nesse sonho um dia?


Para responder essa pergunta complexa e urgente, convidamos diversos projetos que se dedicam a transformar a cidade que vivem:


"Para nós, a cidade dos sonhos é, em primeiro lugar, uma cidade sonhada por todas as pessoas!" por SampaPé

Ampliação da área de caminhada na Ladeira Porto Geral

SampaPé é uma organização sem fins lucrativos que atua para construir cidades mais caminháveis junto com as pessoas. Para o grupo, em uma cidade dos sonhos se criam oportunidades e espaços para promover transformações coletivas e de convivência.


"Nela os ritmos das crianças são acolhidos, se oferece infinitas oportunidades de contemplação e escuta, e é acessível para todas as pessoas em qualquer horário. A cidade dos sonhos tem a presença da natureza na urbanidade, suas ruas promovem segurança para as mulheres e não representam uma ameaça à vida", é o que sonha o SampaPé, que trabalha para construir uma cidade com mais interações e usos espontâneos dos espaços públicos.


Projeto Batata Lab - Largo da Batata por Erê Lab

Para o projeto Erê Lab a cidade dos sonhos é lúdica. Onde ninguém para de brincar e famílias podem circular livremente, com segurança e apropriação do território público e de sua história.


"As políticas públicas seriam direcionadas ao planejamento de longo prazo, focado na qualidade de vida da população sem distinção de classe social, cor, credo ou gênero." explica o projeto que se dedica a construir espaços infantis nas cidades.


Antes e depois do Largo do Paissandu pelo programa Centro Aberto


"Cidades em que pessoas e classes sociais diversas frequentam o mesmo espaço público, mostram uma população mais tolerante às diferenças" por Metrópole 1:1

A Metrópole 1:1 nasce com o principal objetivo de ampliar a discussão das cidades, torná-la acessível a quem mais vive a cidade: os cidadãos. O desejo do projeto é criar espaços públicos melhores e mais acessíveis, ruas mais caminháveis, cidades mais inclusivas e democráticas. Acreditam que dar acesso às pessoas é também torna-las mais conscientes e críticas sobre o espaço que vivem.


Conteúdos sobre o assunto para continuar sonhando:


Imaginar futuros possíveis é um processo em construção, por isso te convidamos a ler mais e ouvir mais sobre soluções que já estão sendo colocadas em prática por pessoas no mundo todo - inclusive no Brasil:

- "Como reviver uma cidade" por Alessandra Orofino

- "7 Principios para construir cidades melhores" por Pether Calthorpe

- "Minha filosofia arquitetural? Inclua a comunidade no processo" por Alejandro Aravena

- O futuro compartilhável das cidades"por Alex Steffen

- "Um jardim de guerrilha em Los Angeles" por Ron Finley

- "Como podemos comer nossas paisagens" por Pam Warhurst

- "Vá em frente, sonhe com o futuro" por Charlie Jane Anders


Acreditamos que sonhar é o primeiro passo para construir, principalmente em um mundo que nos faz acreditar que algo melhor é impossível e inimaginável. Nosso desejo é que o sonho de cada um extrapole as paredes de suas casas e se tornem escolhas políticas e ações coletivas - porque não se constrói a cidade dos sonhos sozinho!


Vem sonhar com a gente?!

0 comentário
bannerjd_edited_edited_edited.png

© 2018 CRIADO E DESENVOLVIDO POR STEHANTONOFF